Pontuação CNH: tire todas as dúvidas sobre o tema

Tudo o que você precisa saber para manter sua habilitação em dia

Publicado em 01

Quando o assunto é pontuação na carteira de motorista, as dúvidas são muitas. Além de colocar em risco a segurança de todos na via, as infrações de trânsito se transformam em multas que pesam no bolso e na habilitação das motoristas desatentas.

Às vezes, as mulheres que dirigem bonito levam multas por bobeiras, mas é sempre bom lembrar que o trânsito (e as suas leis) merecem o máximo de atenção e respeito todos os dias.

Pontos na carteira de habilitação

Quantos pontos posso ter na CNH?

A motorista pode ter até 20 pontos na CNH, soma que inclui infrações leves, médias e graves. No entanto, existem algumas infrações gravíssimas que, se forem cometidas, levam à suspensão imediata da carteira, independente da pontuação anterior. Disputar racha, dirigir embriagado, deixar de prestar socorro à vítima em caso de acidente e dirigir em velocidade superior a 50% da permitida são algumas delas.

Quando os pontos expiram?

Cada pontuação fica ativa por um ano a partir da data da infração. Isso significa que você pode ter pontos que expiram em datas diferentes. Uma infração cometida em abril de 2015 expira em abril de 2016, uma de outubro de 2014 vence em outubro de 2015, e assim por diante. O importante é não somar 20 pontos ao mesmo tempo. Para consultar a pontuação da CNH, acesse o site do Detran da sua cidade ou visite uma das unidades de atendimento.

Ultrapassei o limite de pontos, e agora?

Ih, agora já ficou um pouquinho mais complicado. Que descuido, hein? Quem excede os 20 pontos permitidos recebe uma notificação do Detran e tem 30 dias para recorrer. Caso a decisão se mantenha, a motorista tem a CNH suspensa e deve permanecer sem dirigir por um período que varia de um mês a um ano.

Quando a habilitação é suspensa, quando posso ter a carteira de volta?

O tempo para conseguir a CNH de volta varia entre um mês e um ano e é determinado pela autoridade de trânsito, levando em conta as infrações cometidas. Durante esse intervalo, a condutora deve passar pelo Curso de Reciclagem do Motorista Infrator, um tipo de CFC (aquele cursinho que você fez antes de começar as aulas na autoescola), para habilitados descuidados. Só depois de concluir o curso é possível recuperar a habilitação. Ah, se houver reincidência, o prazo passa a ser de seis meses a dois anos.

Posso levar multa com a habilitação provisória?

Durante o ano de validade da CNH provisória, a motorista não pode cometer infrações grave ou gravíssima ou reincidir na média. Seguindo essas regras, a CNH definitiva é liberada. Caso contrário, é preciso recomeçar o processo para tirar a carteira. Melhor não arriscar!

Meu marido dirigiu meu carro e a multa veio para a minha carta. E agora?

Para transpefrir os pontos, basta preencher o formulário que vem junto com a multa

Um motorista um pouquinho descuidado assumiu o volante do seu carro e agora a multa veio no seu nome? Sem desespero, você pode transferir a pontuação! Espere a notificação de a multa chegar em casa e preencha a ficha que vem junto com ela, colocando os dados pessoais do proprietário do veículo e os dados do condutor que deve receber os pontos (namorado, mãe, pai, amiga). Junte cópias do RG e da CNH dos dois, assine o formulário e envie pelo correio para o órgão responsável pela autuação. Prontinho! Vale dar um toque e pedir para ter mais cuidado da próxima vez.

Fonte: De Carona com Elas

Dicas de segurança para viajar de moto

Publicado em 22

Cada dia mais as motos tomam conta das cidades, mesmo que dados do Denatran mostrem que representam somente 20% da frota do país. Porém, 69% das indenizações do DPVAT (Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre) nos primeiros meses de 2012 foram decorrentes de motocicletas. É por isso que você deve ficar de olho nestas dicas de segurança para viajar de moto.

Veja só:

O que fazer antes de pegar a estrada

A preparação para pegar sua motocicleta começa antes de pegar a estrada e para isso você deve primeiro se concentrar e ver se realmente tem condições de dirigir bem sua motocicleta. Para isso deve ter tido uma boa noite de sono e não estar tomando nenhum medicamento que possa ocasionar efeitos colaterais.

Após isso, veja ainda:

Jamais se esqueça da revisão da moto: assim como quando vai viajar de carro, não pode deixar de ir ao seu mecânico de confiança para ver se ela está funcionando corretamente a fim de evitar imprevistos maiores durante a viagem. Confira sempre óleo, pneus (condições e calibragem), embreagem, freios (pastilhas/discos, e lonas/tambores), correntes ou correia, cabo de acelerador, retentores, condições da bateria. Disso pode depender a sua segurança e o sucesso da sua viagem.

 Como o tempo está e para onde você vai: é importante saber se vai chover ou se haverá estradas de terra durante seu trajeto, pois assim pode se prevenir com as roupas certas, bem como suprimentos. Confirme o trajeto e as condições das estradas.

Os equipamentos de proteção não podem faltar: Tenha certeza de que seu capacete está dentro do prazo de validade e de que nunca sofreu quedas mais fortes; utilize jaqueta e leve capa de chuva, bem como roupas ideias para quem vai fazer uma viagem longa, se este for seu caso. Mesmo não sendo um equipamento, aquelas antenas de motos ajudam a se proteger contra as linhas de pipa, então vale aqui instalar uma em sua motocicleta para evitar acidentes.

Fixe bem a bagagem: nada de deixar a bagagem solta, então se for colocá-la na garupa, fixe-a muito bem com um elástico para que ela não se solte e não deixe a moto instável também. Se possível, use malas próprias para motos se for fazer uma viagem longa e jamais exagere no peso. Caso não seja possível, procure utilizar mochilas próprias para motociclistas, com fecho na cintura para evitar o balanço da mochila nas curvas.

O que fazer na estrada

Lógico que depois de tomar os cuidados principais você deve se lembrar que não deve transitar pelo acostamento e, se for necessário, ligue o alerta a fim de evitar acidentes e multas.

Durante as viagens de moto, fique atento:

Cuidado com chuvas e neblinas: se de carro já é difícil ter boa visibilidade ao andar na chuva e neblina, imagine de moto. Tenha cuidado com aquaplanagem, cuidado com poças que possam esconder buracos e nada de fazer curvas muito inclinadas. Se a chuva estiver muito forte, procure um local seguro e espere o tempo melhorar.

Fique de olho nas ultrapassagens: os motoristas de carros possuem aquele ponto cego e podem não ver a moto, então redobre sua atenção na hora de ultrapassar. Corredor na estrada então nem pensar (aliás, não é indicado nem dentro da cidade). Vale lembrar que deve ultrapassar pela esquerda.

Lógico que estas são somente algumas dicas de segurança para viajar de moto, mas fique sempre atento ao que for importante e colecione somente bons momentos sobre as duas rodas.

Fonte: Andrilhar

Medo de Dirigir

Publicado em 01

Viver sem carro parece impossível para quem mora nas grandes cidades. Quem ainda não tem o seu, ganha um empurrãozinho do mercado cheio de financiamentos e facilidades de pagamento. Mas por incrível que pareça existem pessoas que fogem do volante e têm medo de dirigir.

Nós, mulher, somos maioria nesse grupo, a maior parte entre 30 e 45 anos, conforme a pesquisa desenvolvida pela psicóloga Neuza Corassa, especialista em medos e fobias também autora do livro Vença o Medo de Dirigir - Como Superar-se e Conduzir o Volante da Própria Vida (Ed. Gente).

Ao levar as filhas na escolha, Neiva Piloni, de 43 anos, não conseguia sentir as mãos e as pernas, esse foi o sinal de alerta para a engenheira procurar ajuda. “Ao entrar na garagem, o carro se transformava em um monstrinho”, comenta.

Na maioria das vezes, o medo de dirigir não está relacionado com traumas em acidentes, sequestros relâmpagos ou perda de familiares e pessoas próximas no trânsito, como no caso de Neiva. “Eu tinha medo de atrapalhar o trânsito. Também tinha pavor de uma simples rampinha perto de casa”, explica.

Segundo a psicóloga, o medo ocorre em pessoas extremamente responsáveis, organizadas ou detalhistas. Geralmente são pessoas bem sucedidas com receio de errar e ser desaprovado pelo outro, inclusive no trânsito. Neuza conta que um dos seus pacientes inventava mil desculpas para não ter que dirigir. “Ele até deixava de preencher cupons de concursos de carros para não ter que ganhar”, acrescenta.

Em alguns casos, o medo é tão grande que se transforma em fobia. Entre os sintomas relacionados estão tremedeira nas pernas, transpiração excessiva e taquicardia.

Durante o tratamento, Neiva passou por três etapas que incluíam a análise funcional, fase em que são tratadas as ansiedades, o relaxamento, principalmente muscular para liberar a tensão.

“Também levantamos os principais medos, como, trânsito, manobras e rampas”, explica à psicóloga. Por fim, os pacientes que já tem a carteira de habilitação voltam às ruas com instrutores treinados pela própria psicóloga.

São oito sessões no consultório. O tratamento prático acontece uma vez por semana, de quinze em quinze dias e mensalmente. Tudo é realizado entre três e quatro meses. “Depois disso bastaram quinze dias para eu voltar à minha rotina. Hoje em dia tenho uma ótima relação com o monstrinho (risos)”.

10 dicas para vencer o medo de dirigir

Segundo a psicóloga Neuza Corassa, o medo do volante é o mais comum. Após a trajetória de acidentes com avião durante o ano passado, o pânico de voar foi a segunda razão para as pessoas procurarem o seu consultório. Veja algumas dicas para enfrentar o volante:

1. Procure trabalhar sua respiração. O ansioso respira muito rápido e "curto" - apenas com o tórax e não da forma correta envolvendo também o abdômen.

2. Faça algum tipo de atividade física ou relaxamento muscular, para produzir endorfinas que irão neutralizar a química da ansiedade noradrenalina.

3. Inicie uma aproximação com o carro dentro da garagem. Entre, ajuste o banco, sinta o espaço interno, ligue e desligue o carro.

4. Ainda dentro da garagem, ligue o carro e faça pequenos movimentos para frente e para trás.

5. De voltas no quarteirão em horários sem movimento. Procure ruas tranqüilas e que não tenham crianças.

6. No começo, escolha um ou dois trajetos. Isto evitará ansiedade.

7. Marque em sua agenda, pelo menos duas vezes por semana para praticar o exercício de dirigir. Esta prática deve ser considerada como uma tarefa do dia-a-dia. O hábito diário fará você adquirir confiança.

8. Quando se sentir confiante, inicie trajetos maiores ou que tenham subidas e uma maior quantidade de veículos.

9. Não se assuste com os sintomas da ansiedade que se manifestarão no seu corpo: tremedeira, taquicardia, transpiração. Elas tenderão a diminuir.

10. Dirija inicialmente para você. Não tente provar nada para os outros. Isto diminuirá as expectativas sobre você e baixará a ansiedade.

Ainda no portal De Carona com Elas, você encontra um curso que vai ajudar a perder o medo de dirigir. Você se cadastra, e faz o curso online. O curso é dividido em módulos e quando você concluir o curso recebe um certificado.

Vale a pena conferir, você pode fazer sua inscrição no link: http://blogs.bolsademulher.com/decarona/2011/09/19/entendendo-o-medo-de-dirigir/

Fonte: Vila Mulher